quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Novo livro sobre o a-ha será lançado em março

Divulgação
Um novo livro sobre o a-ha será lançado na Europa em março do ano que vem. A obra, intitulada a-ha: Down To The Tracks, terá 320 páginas e é assinada pelo crítico musical britânico Barry Page. Cobrirá toda a carreira da banda e também os projetos solo de Morten, Paul e Mags.

“No primeiro livro do a-ha desse tipo, Barry Page relembra uma extraordinária odisseia musical de 40 anos. Além de mostrar cada álbum do a-ha em detalhes faixa a faixa, o livro inclui uma visão abrangente dos anos anteriores à fama da banda e de cada um dos projetos paralelos dos três membros”, publicou a editora britânica This Day In Music Books, que já disponibiliza a obra em pré-venda.

Todas as cópias desta primeira edição virão em capa dura e serão limitadas. Além disso, incluirão como bônus um single em vinil com a canção inédita Miss Eerie, uma faixa demo gravada pelos Bridges no início de 1981. A canção é considerada a versão embrionária de Take on Me e foi mais tarde batizada por Morten como The Juicy Fruit Song.

“Contada de várias perspectivas diferentes, esta nova abordagem da história mistura entrevistas e resenhas arquivadas, juntamente com novas informações exclusivas de um grande número de colaboradores, incluindo Magne Furuholmen e Pål Waaktaar”, informou a editora.

Outros nomes que colaboraram com o livro incluem o empresário do a-ha, Harald Wiik, a irmã mais velha de Paul, Tonje Waaktaar Gamst, as cantoras Anneli Drecker, Zoë Gnecco e Tini Flaat, além do autor Pål H. Christiansen, o ex-Bridges Viggo Bondi e o baixista Sven Lindvall.

“Contra todas as probabilidades, o a-ha marcou um enorme sucesso em 1985 com Take on Me. Aparentemente da noite para o dia, a banda norueguesa estava no topo das paradas em todo o mundo; um sucesso impulsionado em parte por um vídeo inovador”, publicou a editora.

“Na verdade, no entanto, seu sucesso foi o culminar de anos de trabalho duro e luta financeira; desde suas origens em bandas como Bridges e Souldier Blue, até um período de relativa miséria em Londres, quando eles decididamente buscavam seu progresso”, completou.

Nenhum comentário: