sábado, 31 de outubro de 2020

East of the Sun, West of the Moon faz 30 anos

Disco mostrou o amadurecimento da banda em estúdio e também nos palcos

O álbum que marcou uma nova guinada na carreira do a-ha acaba de completar 30 anos. Em 27 de outubro de 1990, a banda lançava o seu quarto trabalho de estúdio: East of the Sun, West of the Moon. O disco foi um divisor de águas para o grupo. Representou não apenas o fim da era oitentista e a chegada da década de 90, mas principalmente o amadurecimento do trio, tanto em estúdio como também nos palcos.

“Nós percebemos que os anos 80 estavam ficando para trás, os sintetizadores não eram mais tão excitantes. Começamos a sentir falta de onde iniciamos, (Bridges) onde tocávamos como uma banda de verdade sem ligar para que os outros estavam fazendo”, declarou Paul no livro The Swing of Things (2010).

“Nós reunimos uma banda de apoio formada por músicos noruegueses e gravamos todas as canções em takes únicos e completos. Foi totalmente diferente do que fizemos antes. Se tornou algo mais orgânico. Você pode ouvir essas músicas várias vezes e ainda assim encontrará várias nuances, porque não é uma 'máquina' que está simplesmente 'cuspindo' as notas”, completou o guitarrista.

Apesar de não ter alcançado o mesmo sucesso comercial dos três primeiros álbuns, o East of the Sun, West of the Moon teve êxito em várias partes do mundo. Alcançou o primeiro lugar na Noruega e entrou no Top 20 em diversos países europeus, incluindo Alemanha (6ª posição), Reino Unido (12ª), França (15ª), Suíça (16ª) e Holanda (20ª). Na Ásia também se saiu bem, entrando no Top 20 das paradas do Japão.

O álbum foi produzido por dois britânicos conhecidos pelo talento no mundo da música. “Subitamente apareceu um monte de gente que queria trabalhar conosco. Mas nós escolhemos Ian Stanley, o tecladista que trabalhou com o Tears For Fears, que também havia trabalhado com um monte de gente diferente, incluindo Lloyd Cole & The Commotions. Um músico de verdade que fala a nossa linguagem”, afirmou Paul.

“E para fazer a gravadora feliz, trouxemos um verdadeiro 'Hit Maker' a bordo, Chris Neil. Dividimos o álbum entre esses dois. Gravamos ele no estúdio Abbey Road e no Air Studio de George Martin”, disse o guitarrista.

Também no livro The Swing of Things, Mags falou sobre o sentimento da banda à época do lançamento do East of the Sun, West of the Moon. “A forma como eu me lembro desse álbum era de que eu e o Paul estávamos totalmente de acordo sobre a direção a seguir, enquanto Morten ficava contemplativo, observando nossa viagem”.

“Nós realmente decidimos que queríamos ser levados a sério e como sempre, não foi uma boa ideia. Mas o disco é bom, cheio de pérolas escondidas”, completou o tecladista.

Capa do single de Crying in the Rain

Morten, de fato, não estava na mesma vibe de Paul e Mags. “Essa foi a primeira gravação que realmente sofreu com o complexo de inferioridade da banda”, afirmou o vocalista no mesmo livro. “Nós achávamos que devíamos fazer um grande esforço para soarmos 'cool', trazendo pra fora outras facetas, mas eu não funciono dessa forma”, contou Morten.

“Eu tenho que cantar naturalmente a canção que me é apresentada. Se acontecer, aconteceu. Era uma viagem de Paul e Magne. Eu senti instintivamente que estava tudo errado, mas eu tentei seguir junto. Eu posso ter cometido algum erro. O que deveríamos ter feito era esperar as coisas acontecerem naturalmente”, declarou o vocalista.

Ao contrário dos álbuns anteriores, o East of the Sun, West of the Moon contou com apenas três singles: Crying in the Rain, I Call Your Name e Early Morning

Foi a primeira vez na carreira que o a-ha regravou uma canção. “Houve conversas e discussões sobre se o a-ha deveria fazer uma versão cover do antigo sucesso dos Everly Brothers, Crying in the Rain”, recorda o baixista norueguês Jørun Bøgeberg em depoimento publicado em seu site. Ele tocou com o a-ha de 1990 a 1994.

“Terry Slater, o empresário, era um bom e velho amigo dos Everly, e não tenho certeza se foi ideia dele, mas os rapazes do a-ha sentiram que poderia ser uma coisa divertida (e talvez inteligente) de se fazer depois de um tempo de reconsideração”, completou o baixista, que também tocou com Morten na banda Souldier Blue, no início dos anos 80.

Segundo Jørun, até mesmo o renomado produtor britânico Trevor Horn chegou a participar das discussões sobre a regravação de Crying in the Rain. Ele seria uma espécie de “produtor alternativo” da canção. No entanto, não houve consenso sobre como a música deveria soar. “Parecia que Horn queria torná-la um tipo de faixa dance hipercomercial. Isso não agradaria aos garotos teimosos do a-ha. Eles nem tinham certeza se era uma boa ideia fazer a música”, afirmou o baixista.

“No álbum havia dois produtores, que trabalharam separadamente. Nós nos dávamos melhor com Chris Neal, simplesmente porque ele nos deixava tocar. O outro cara era Ian Stanley, trancado em suas máquinas”, declarou Jørun Bøgeberg.

Capa do single de I Call Your Name

Quando o álbum estava prestes a ser lançado, as coisas começaram a ficar agitadas, conta o músico. “Em algum momento os meninos perguntaram a Per (o baterista) e a mim quem achamos que deveria ser o saxofonista da banda, já que a música I Call Your Name tinha obtido uma importante parte de sax. Per e eu olhamos um para o outro e o mesmo pensamento surgiu em nossas mentes. Devia ser Sigurd, claro, sr. Køhn, com quem nós dois trabalhamos”, recorda.

De acordo com o baixista, aqueles que pensam que o a-ha nunca poderia ser uma banda de rock, este é o período que exatamente isso aconteceu. Para ele, foi muito divertido e construtivo trabalhar com pessoas que aparentemente sabiam o que procuravam na música. “Fiz o meu melhor para fazer o que estava mais próximo das demandas, e o fiz com um pequeno toque pessoal”, afirmou.

“Os três rapazes eram indivíduos muito diferentes, mas me parecia que eles eram capazes de encontrar sua solução comum para as coisas, como uma unidade forte, o melhor de todos os três”, destacou Jørun.

Para Paul, o East of the Sun, West of the Moon contém várias canções ambiciosas, como a própria faixa-título e também Slender Frame, Early Morning e I Call Your Name. “É um álbum com um tom consistente, uma identidade. Vendeu cerca de três milhões de cópias, cerca de meio milhão a menos que o anterior, o que foi algo negativo. Foi muito frustrante pra mim”, lamentou o guitarrista.

"Crying in The Rain é cheio de romance americano, como o restante do disco”, destacou Mags. “Early Morning soa como uma velha canção do The Doors. East of The Sun é uma boa faixa. Sycamore Leaves tem uma atitude mais Rock n' Roll com a costumeira 'Qualidade Waaktaar' na letra e melodia. Ela soa como a continuação de I've Been Losing You”, completou o tecladista.

Foi justamente com esse álbum que Mags pela primeira vez fez questão de cantar, algo que até então ele só havia feito em gravações demo (e mesmo assim dividindo os vocais com Morten). “The Way We Talk foi a minha primeira rebelião. Eu queria cantar! Eu acho que estava bem bravo quando eu disse que deveria ter um lugar em um álbum do a-ha para fazer experiências com a velha fórmula”, contou o tecladista.

No livro, Mags também falou da interferência de Paul em suas composições. “Waiting for Her é uma pérola esquecida que eu gosto muito. A letra dela foi esmagada como de costume. Eu tentei pôr o meu toque na letra, mas Paul mudou os versos e eu desisti”, queixou-se.

Em um recente artigo publicado na revista norueguesa Jazznytt, o jornalista Ørjan Nilsson falou sobre a canção (Seemingly) Nonstop July, mais especificamente sobre o trecho em que há a voz de um homem discursando no final da música. Para saber mais sobre ele, Ørjan ligou para Paul em Los Angeles.

Capa do single de Early Morning

“Lembro-me bem daquele dia”, afirmou o guitarrista do a-ha. “A música foi gravada na Prince Street, no Soho, no meio de uma onda de calor. Eu estava no quinto andar com a janela ligeiramente aberta, quando ouvi um cara começando a gritar profecias do juízo final nas ruas”, recorda Paul, que se apressou e apontou o microfone para fora da janela.

“O cara tinha um ótimo timing, já que eu não precisei editar a gravação ou mover as partes depois. Uma maravilha. Ele continuou por vários minutos após o fim da música, com a mesma intensidade, mas a voz foi ficando cada vez mais distante à medida que ele desaparecia na rua”, contou o guitarrista a Ørjan Nilsson.

No trecho do discurso, o homem desconhecido diz:

You will understand me
Endless pain or endless pleasure
Endless pain or endless pleasure
Some of you have to show me…
Some of you have to show me…

Endless pain
If some of you have children…
Endless pain

You´d better wisen up

Para marcar os 30 anos do East of the Sun, West of the Moon, a gravadora Rhino Records, subsidiária da Warner Music, acaba de relançar o álbum em LP. A edição limitada, em vinil roxo 180g, pode ser adquirida no site da Amazon. Esta é a primeira vez que o disco sai neste formato desde o lançamento original do LP em 1990.

Para os fãs que curtem faixas demo, B-sides e early versions, vale a pena conferir a edição de luxo do álbum lançada em outubro de 2015, no aniversário de 25 anos. O material inclui, além do disco original remasterizado, um CD extra com várias versões raras e um DVD do show Live in South America.

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Rock in Rio Lisboa confirma o a-ha na edição 2021

Divulgação

O Rock in Rio Lisboa, que teve a edição desse ano cancelada devido à pandemia, confirmou que o a-ha está mantido na programação de 2021. O show será realizado no Palco Mundo no penúltimo dia do festival: 26 de junho. Os ingressos para a apresentação da banda já estão à venda.

Saiba mais:
Turnê nos EUA é transferida para maio de 2021
Shows na América do Sul ficam para agosto de 2021
Turnê europeia é remarcada para abril e maio
Shows no Japão são remarcados para janeiro

domingo, 25 de outubro de 2020

Diario de Pernambuco relembra 1º show do a-ha no Recife: “Marcou uma geração de nordestinos”

O jornal Diario de Pernambuco publicou recentemente uma série de reportagens sobre shows que marcaram época no Estado. A histórica primeira apresentação do a-ha no Recife, em 1991, foi lembrada pelo jornal. “O show da banda norueguesa no Geraldão causou tanto alvoroço que merece capítulo à parte no especial dos antigos shows internacionais em Pernambuco”, registrou.

Intitulada “A histeria pelo a-ha”, a matéria narra que a chegada do grupo ao Recife ocorreu sob forte esquema de segurança. “Três rapazes saem de um avião no Aeroporto dos Guararapes e entram em um carro-forte de transporte de valores. Parece cena de filme de ação, mas foi a chegada dos noruegueses”, publicou o Diario.

“O show da banda a-ha no Recife, em 2 de junho de 1991, marcou uma geração de pernambucanos e nordestinos, como uma materialização sonora do fim do século 20”, escreveu o jornalista Emanuel Bento.

Um dos entrevistados da matéria foi Paulo Roberto Rodrigues, o Paulão, que integrava a equipe de segurança do produtor José Carlos Mendonça, o Pinga. “Fomos buscar eles no aeroporto e usamos um carro forte da Liserve Vigilância, que era um dos patrocinadores do evento. Eles chegaram no Geraldão pela tarde para testar o som”, recordou.

Confira a reportagem completa no site do Diario de Pernambuco.

sábado, 17 de outubro de 2020

a-ha é novamente premiado no BMI London Awards

Reprodução

A BMI, organização internacional que representa compositores de todo o mundo, divulgou este mês a lista de vencedores do BMI London Awards 2020. O a-ha novamente foi premiado na categoria Million-Air Awards, que reconhece quando uma música atinge marcos significativos nas rádios americanas. Nesse caso, Take on Me, que já foi tocada mais de 7 milhões de vezes nas emissoras dos EUA desde o lançamento em 1985.

Devido à pandemia, a cerimônia de premiação deste ano foi toda virtual. A lista completa dos vencedores está disponível no site da BMI.

Em 2007, o a-ha recebeu o mesmo prêmio quando Take on Me alcançou 3 milhões de execuções. Seis anos depois, a banda foi novamente premiada, desta vez quando a canção atingiu 4 milhões de execuções.

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Manhattan Skyline ganha cover em ritmo de metal

Foto: Divulgação

O guitarrista, tecladista e compositor norueguês Ihsahn, considerado um dos pioneiros do metal progressivo no país nórdico, regravou um dos maiores clássicos do a-ha: Manhattan Skyline. A faixa, que faz parte do compacto Pharos, lançado pela gravadora britânica Candlelight Records, conta com os vocais de Einar Solberg, da banda norueguesa Leprous.

“Ihsahn produziu um tributo delicado, mas fiel ao original, combinando um verso suave, como uma balada, que explode em um refrão de rock bombástico com toda a grandeza melodramática do original”, escreveu o site Blabbermouth.net, especializado em notícias de heavy metal.

A nova versão é acompanhada de um videoclipe, gravado ao pôr do sol em Gaustatoppen, considerada a montanha mais alta da Noruega.

Essa não é a primeira vez que uma canção do a-ha ganha versão metal. Em 2016, o Sin Rostro Centurión, nome do projeto musical do artista venezuelano ReyCast, regravou I've Been Losing You. Em 2008, foi a vez dos finlandeses da Northern Kings lançar Take on Me. No mesmo ano, o grupo alemão Atrocity fez um cover de The Sun Always Shines on TV

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Mags: “Estou de volta ao estúdio para ver como é escrever algo para o a-ha. Pode ou não acontecer”

Reprodução/YouTube

Em uma recente entrevista ao canal online viking.tv, Mags falou sobre o cancelamento dos shows do a-ha em 2020, devido à pandemia do novo Coronavírus, e também comentou outros temas, como a gravação de material novo para a banda e a realização de projetos paralelos.

“Acho que cancelamos 60 shows esse ano, devido à situação da Covid. Seria uma grande turnê mundial com shows esgotados em Los Angeles. Estávamos na Ásia na época, em turnê, quando o lockdown aconteceu. Você sabe, todos são afetados por isso de formas diferentes. Temos a sorte de adiar nossos shows sempre que a situação permitir”, afirmou o tecladista em um bate-papo com o fotógrafo britânico Alastair Miller.

Sobre a criação de material novo para o a-ha, Mags surpreendeu ao declarar: “Curiosamente, atualmente estou de volta ao estúdio para ver como é escrever algo para o a-ha. Eu não prenderia minha respiração por isso, mas é algo que pode ou não acontecer”. Em novembro do ano passado, Mags afirmou, em entrevista ao site da revista americana Billboard, que o a-ha já havia gravado canções novas o suficiente.

Ainda na entrevista, o músico também falou sobre os projetos paralelos que desenvolve. “Os planos mudaram, como falamos anteriormente. Este é um momento único, que é um momento de reflexão de muitas maneiras, se você estiver em posição de fazê-lo. Então, para mim, foi um período bastante fértil. Estou fazendo projetos musicais, [embora] alguns deles - shows e outras coisas - tiveram que ser cancelados”.

Como artista visual, Mags também está fazendo a curadoria de uma exposição a bordo de um navio. O projeto se chama REV Ocean. “É um enorme navio de pesquisa onde 60 cientistas se concentrarão em oceanografia. Há artistas envolvidos, há arte a bordo. Eu trabalhei com uma senhora que trabalhava para mim, estamos fazendo a curadoria da arte a bordo e estamos usando jovens artistas noruegueses”, contou.

“Portanto, há muita coisa acontecendo, em ambas as frentes, que são muito empolgantes neste momento. Fora isso, vou para meu estúdio de pintura e meu estúdio de gravação e tento fazer algo bonito”, disse.

Com informações do site norueguês a-ha live

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Banda brasileira grava versão rock de Take on Me

Foto: Divulgação

O Trio MCL, de Bauru (SP), lançou recentemente uma versão rock de Take on Me. A releitura do clássico do a-ha fez parte de um projeto da banda brasileira intitulado "Quarentena Sessions". Confira o vídeo.

Formado há quatro anos por Mauricio Daniel (guitarra, violão e voz), Luís Felipe "Chacrinha" Fabrício (baixo) e Marcus Liborio (bateria), o grupo gravou a faixa no Mister Rec Vintage Studios, na cidade paulista.

Em entrevista ao site do Jornal da Cidade, o baixista da banda falou sobre o arranjo da nova versão. “Eu usei um efeito no baixo para simular os synths e a guitarra fez a linha melódica, a parte mais conhecida da música, que originalmente acontece nos teclados”.

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Turnê nos EUA é transferida para maio de 2021

Foto: Frances Keogh/Twitter/Reprodução

Os três shows do a-ha em Los Angeles, nos EUA, que ocorreriam agora em setembro, foram transferidos para os dias 23, 24 e 25 de maio de 2021. Os ingressos originais continuam valendo para as novas datas. 

Saiba mais:
Shows na América do Sul ficam para agosto de 2021
Turnê europeia é remarcada para abril e maio
Shows no Japão são remarcados para janeiro
Turnê brasileira ficará para 2021, diz jornalista
Coronavírus: Rock in Rio Lisboa é adiado para 2021

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

a-ha - The Movie ganha nova data de estreia

Reprodução

O documentário a-ha - The Movie, cuja estreia mundial estava marcada para o dia 26 de novembro deste ano, também teve a data alterada em virtude da pandemia. A produção será agora lançada em 22 de abril de 2021, mesmo dia do primeiro show do a-ha em Oslo, na Noruega. Os ingressos comprados para a exibição original ainda continuam válidos.

Em fevereiro deste ano, a revista americana Variety publicou uma matéria informando que estão sendo negociados acordos para a exibição do documentário em cinemas pelo mundo, incluindo países como Coreia do Sul, Itália, Israel e Islândia. De acordo com a publicação, a estreia do documentário será acompanhada por um evento, que será transmitido ao vivo pela internet, com cenas nunca antes vistas de clipes do a-ha.

Ao que tudo indica, o documentário terá duas versões: a original de 90 minutos, para exibição nos cinemas, e outra reduzida de 52, para TV.

Saiba mais:

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Shows na América do Sul ficam para agosto de 2021

Foto: Sarah O/Twitter/Reprodução

Texto atualizado em 06/08/2020

O a-ha finalmente confirmou a remarcação da turnê sul-americana. Os shows no Brasil, Argentina, Chile e Peru serão agora realizados em agosto de 2021. A apresentação no México também foi reagendada para o mesmo mês. No Brasil, as novas datas são: dia 14 em Salvador, dia 18 em Belo Horizonte, dia 19 no Rio de Janeiro, dia 21 em São Paulo e dia 24 em Curitiba. A venda de ingressos deve ser iniciada em breve.

Com a divulgação das novas datas, foi possível observar que o a-ha alterou a ordem de realização dos shows. O Peru, que antes abriria a turnê sul-americana, agora será o último país do continente a receber a banda. Já o México, que até então seria o penúltimo país das Américas a ser contemplado com a turnê, agora será o primeiro da lista de shows.

Com essas mudanças, a ordem das apresentações no Brasil também foi, consequentemente, alterada. A capital baiana Salvador, que antes seria a última cidade brasileira a receber o a-ha, agora será a primeira. Já Curitiba (PR), que antes abriria a turnê no país, agora será a última.

“Seremos o único local do Norte e Nordeste a receber a turnê. Com isso, Salvador e a Bahia se consolidam como destino dessas atrações e se inserem definitivamente na rota do show business mundial”, afirmou Alexandre Gonzaga, diretor de Marketing da Arena Fonte Nova.

Novas datas da turnê sul-americana e do show no México

11 de agosto de 2021 - Cidade do México, México
14 de agosto de 2021 - Salvador, Brasil
18 de agosto de 2021 - Belo Horizonte, Brasil
19 de agosto de 2021 - Rio de Janeiro, Brasil
21 de agosto de 2021 - São Paulo, Brasil
24 de agosto de 2021 - Curitiba, Brasil
27 de agosto de 2021 - Buenos Aires, Argentina
29 de agosto de 2021 - Santiago, Chile
31 de agosto de 2021 - Lima, Peru

Saiba mais: